22/05/18

Opinião: "Um de Nós Mente" de Karen M. McManus


"Simon Kelleher é o criador do Má-Língua, uma nova aplicação que está a encurralar a elite de Bayview High, revelando pormenores da vida privada dos alunos da escola. 
Mas o caso torna-se mais grave quando Simon e quatro colegas ficam fechados de castigo numa sala, e ele morre diante das suas vítimas. 

Os quatro que se tornam suspeitos imediatos do homicídio, são: 
A melhor aluna da escola, Bronwyn que nunca viola uma regra e quer entrar em Yale. 
A estrela da equipa de basebol de Bayview, Cooper. 
Nate, o criminoso, que está em liberdade condicional por vender droga.
A menina bonita, Addy, que parece ter a vida perfeita ao lado do namorado perfeito.

Que segredos queriam esconder para eliminar Simon? 
Quem será o culpado?"

Wook.pt - Um de Nós Mente
Bom início de semana, leitores!

Hoje trago-vos a opinião daquele que é capaz de ser o melhor livro que li (até agora) em 2018: Um de Nós Mente de Karen M. McManus.

Sei que muitos de vocês irão olhar de lado para este livro por ser um livro mais direcionado para o público juvenil, mas a verdade é que este livro era exatamente daquilo que estava a necessitar quando peguei nele e, sem dúvida, que não desiludiu!

Quando o livro foi publicado nos EUA foi imediatamente comparado ao filme The Breakfast Club e à série televisiva (e de livros) Pequenas Mentirosas, o que me chamou logo à atenção, pois sou uma grande fã de ambos.

O livro começa com um grupo de cinco adolescentes numa sala de aulas de castigo. O professor que os vigia ausenta-se da sala por uns momentos e um dos alunos acaba por morrer devido a uma alergia ao óleo de amendoim.

Imediatamente as atenções viram-se para os quatro alunos que estavam com ele na sala e com o decorrer do tempo e uma sucessão de acontecimentos pouco abonatórios para os quatro, as desconfianças começam a virar-se para eles. Isto, porque Simon, o aluno que morreu, tinha uma aplicação onde publicava os "podres" dos alunos da escola e cada um dos quatro que estava com Simon na sala tinha motivos para o calar.

Desde o primeiro momento em que peguei neste livro, vi-me completamente agarrada a ele e só não o terminei mais cedo porque não tive tempo! Hihihi!

Os segredos, as paixonetas, os romances e tudo o que vai acontecendo e vai sendo revelado neste livro deixa-nos verdadeiramente agarrados e com um enorme desejo de saber o que aconteceu realmente com Simon.

Para além disto, as personagens são muitíssimo realistas e os problemas com que se confrontam são bastante atuais. É quase impossível não nos identificarmos com pelo menos uma destas personagens e a experiência que tivemos no nosso ensino secundário.

Classificação: 5/5

Uma leitura com apoio da

Foto de Gailivro.

08/05/18

Opinião: "Zack" de Mons Kallentoft e Markus Lutteman

"Belo e irreverente, Zack é um jovem detetive da Polícia de Estocolmo à procura de si próprio.

ZACK é o primeiro livro de uma série sobre o jovem detetive Zack Herry que, como um Hércules dos tempos modernos, tenta combater os criminosos do submundo de Estocolmo, enquanto se debate com as memórias de uma noite estrelada com cheiro a relva e sangue. 

Zack é uma personagem contraditória que nos cativa desde o primeiro momento. A série é já um sucesso em vários países entre os quais se contam a Alemanha, a França, o Japão e os Estados Unidos da América."

Wook.pt - Zack
Boa tarde, livrólicos!!

Hoje trago-vos a opinião de uma novidade da Dom Quixote a partir de hoje nas livrarias: Zack de Mons Kallentoft e Markus Lutteman.

Decerto que já ouviram falar da série policial de Mons com a inspetora Malin Fors como personagem principal, certo? Desta vez o autor sueco deixa a sua terra natal para se aventurar no mundo do crime em Estocolmo.

O que mais me cativou neste livro foi, sem dúvida, a personagem principal, Zack. Zack é um detetive da Polícia Criminal de Estocolmo que se move entre os dois lado da lei, o que muitas vezes nos deixa a ponderar se estará a fazer o mais acertado e se será até um narrador em quem podemos confiar.

Algo de que também gostei foi o tema atual do livro: os refugiados, o tráfico de humanos e o racismo/xenofobismo. Não sei quanto a vocês, mas tenho a impressão de que os países nórdicos são muitas vezes considerados "perfeitos" para viver e muitas vezes perdemos a noção de que têm tantos ou mais problemas que o resto dos países, por isso acho sempre interessante ler estes thrillers nórdicos que nos dão uma imagem mais real, que nós não temos, destes países.

O plot está construído de forma a manter o leitor sempre sob tensão com recurso a intensas perseguições e novas pistas que nos fazem desconfiar de praticamente toda a gente, mas também cenas bastante gráficas

Sem dúvida, um livro para todos os fãs deste género, quer já conheçam ou não os livros deste autor, uma vez que esta nova série intitulada Hércules é bastante diferente daquela a que o autor nos habituou.

Classificação: 4,5/5

Uma leitura com apoio 
Foto de Dom Quixote.

30/04/18

Opinião: "O Último Fôlego" de Robert Bryndza

"Quando o corpo torturado de uma mulher, jovem e bonita, é encontrado num contentor do lixo, com os olhos inchados e as roupas ensopadas em sangue, a inspetora-chefe Erika Foster é dos primeiros detetives a chegar ao cenário do crime. O problema é que, desta vez, o caso não lhe pertence.

Enquanto luta para integrar a equipa de investigação, Erika envolve-se no processo e rapidamente encontra semelhanças com o assassínio não resolvido de outra mulher, quatro meses antes. Largadas ambas num contentor do lixo em parques de estacionamento diferentes, têm ferimentos idênticos - uma incisão fatal na artéria femoral da coxa esquerda... E, entretanto, é localizada uma terceira vítima em circunstâncias idênticas.
Perseguindo as vítimas online, apresentando-se com identidades falsas, o assassino ataca mulheres jovens e bonitas de cabelo castanho comprido e desaparece misteriosamente, sem deixar qualquer pista. Como irá Erika apanhar um assassino que parece não existir?

Enquanto decorre a investigação, outra rapariga é raptada quando esperava por um encontro. Erika e a sua equipa têm de a localizar, para não depararem com mais uma vítima mortal, e enfrentar um indivíduo terrivelmente sádico e perigoso.

Alucinante, tenso e impossível de parar de o ler, O Último Fôlego mantém o leitor preso logo na primeira página, enquanto o livro se encaminha vertiginosamente para um final surpreendente."

Wook.pt - O Último Fôlego
Boa segunda-feira, leitores!! Especialmente porque amanhã é feriado!!

Hoje venho falar-vos de um livro que esperava desde janeiro (isto é, desde que li o último livro publicado por cá desta série hihihi): O Último Fôlego de Robert Bryndza, uma novidade da Alma dos Livros.

Desde que o primeiro livro, A Rapariga no Gelo, foi publicado por cá que tenho acompanhado avidamente esta série. É claro que entre os quatro até agora publicados tenho os meus preferidos e aqueles de que não gostei tanto (o meu preferido é, sem dúvida,  A Sombra da Noite, os outros três estão todos mais ou menos ao mesmo nível), mas uma das coisas que mais me cativa nesta série é termos a sensação de que à medida que lemos mais, ficamos a conhecer melhor as personagens: pequenos detalhes do passado que não conhecíamos aparecem, ou então uma nova relação ou um novo membro da família. Sentimos como se estas personagens fossem velhos amigos e que vamos acompanhando a vida deles no dia-a-dia.

Neste livro, o foco da vida pessoal das personagens é principalmente na relação de Erika e Peterson (finalmente!!), o que tenho de admitir que me agradou bastante. Desde o final do primeiro livro que apoio estes dois e mal posso esperar para ver como se vai desenrolar a relação daqui para a frente!

Achei também bastante interessante os crimes cometidos, particularmente a referência às redes sociais e as importâncias destas nos mesmos, mas tenho de admitir que o motivo ficou um pouco aquém das minhas expetativas.

O desfecho do livro deixa em suspenso o futuro não só pessoal, mas especialmente profissional de algumas personagens e, sem dúvida, que me deixou com água na boca para o próximo livro!

Classificação: 4/5

Uma leitura com apoio da

29/04/18

Opinião: "A Última Travessia" de Lone Theils

"Duas jovens dinamarquesas desaparecem, sem deixar rasto, a bordo de um barco com destino a Inglaterra, em 1985. 

Vários anos depois, a jornalista Nora Sand, que trabalha em Londres para a revista dinamarquesa Globalt, compra uma mala velha numa loja de antiguidades, numa cidade do litoral. Quando a jornalista abre a mala, encontra uma série de fotografias, e uma delas, onde aparecem duas jovens a bordo de um barco, chama-lhe a atenção. Nora lembra-se imediatamente do famoso caso das duas raparigas desaparecidas em 1985, que nunca fora encerrado.

Nora Sand não pode deixar de pensar no caso e viaja até à Dinamarca para descobrir o que aconteceu às duas jovens. Rapidamente depara com a história de um assassino em série que está a cumprir pena de prisão perpétua e que parece ter a chave do caso...
Mas, para Nora, qual será o preço a pagar?"


Wook.pt - A Última Travessia
Boa tarde, livrólicos!!

Hoje trago-vos mais uma opinião de um livro lido este mês: A Última Travessia de Lone Theils, uma novidade da Suma de Letras. E este não é um livro qualquer; já andava à espera que fosse traduzido por cá há pelo menos um ano. Isto, porque, como vocês sabem, sou uma grande fã de thrillers nórdicos e há uns tempos atrás andei a pesquisar autores nórdicos e deparei-me com esta autora e fiquei bastante curiosa com este livro e ainda mais quando vi que os direitos para Portugal já tinham sido adquiridos!

Por isso, podem imaginar o meu entusiasmo quando um exemplar deste livro chegou cá a casa! E digo-vos já: valeu a pena esperar!

Este livro é o primeiro livro a figurar Nora Sand, uma jornalista dinamarquesa em Londres, como personagem principal (o segundo livro, The Blue Poet's Wife também já tem os direitos adquiridos para Portugal). Deste modo, temos a oportunidade conhecer o background desta personagem e de todos aqueles com quem ela convive.

Nora depara-se por acaso com este desaparecimento que a leva a um assassino em série britânico que supostamente se encontra preso. Com a ajuda dos seus contactos como jornalista e de um antigo amigo de infância, Andreas, Nora começa a investigar este caso e à medida que se vai aprofundando a sua investigação começa a perceber que muitas das coisas que aconteceram naquela travessia nunca chegaram a ver a luz do dia e a receber ameaças e acaba mesmo por ver a sua vida em risco.

Achei bastante interessante, senão mesmo cativante, a premissa inicial do livro: o que terá acontecido na travessia do ferry entre a Dinamarca e Inglaterra para que duas raparigas tivessem desaparecido sem deixar rasto? Apesar de me ter surpreendido com o desfecho, tenho de admitir que alguns aspetos do mesmo deixaram um pouco a desejar.

Para além disso, gostei também de ver o desenrolar da relação de Nora com Andreas e mal posso esperar para ler mais sobre ambos! Não só estas personagens estão muito bem construídas, como todas as outras desde os colegas de trabalho de Nora aos polícias e ao(s) culpado(s).

Assim, se são fãs de thrillers nórdicos não vão querer perder a estreia desta autora no nosso país!


Classificação: 4/5

Uma leitura com apoio da
Foto de Suma de Letras Portugal.